Fratura do maléolo posterior da tíbia distal

acesso póstero-lateral

Autores

  • Wellington Farias Molina Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Luiz Sérgio Martins Pimenta Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Guilherme Bottino Martins Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Caroline Barreto Rodrigues Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Eduardo Cezar Silva dos Santos Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Sérgio Moroz Pereira Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Palavras-chave:

fixação interna de fraturas, fraturas da tíbia distal, fraturas do tornozelo

Resumo

A fratura do maléolo posterior é um tipo específico de fratura que se manifesta em geral associada a uma fratura do tornozelo ou a uma fratura do pilão. As abordagens posteriores foram originalmente projetadas para a fixação do fragmento de Volkmann que ocorre frequentemente associado às fraturas maleolares laterais e/ou mediais. A presente paciente foi submetida a uma abordagem póstero-lateral com fixação por placa e parafuso de maléolo lateral e posterior, após estudos radiográficos e tomográficos, com mobilização precoce e deambulação após 6 semanas de osteossíntese. Apresentou, como única complicação, deiscência de ferida operatória, resolvendo-se após 3 semanas sem intervenção cirúrgica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wellington Farias Molina, Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Chefe do Grupo de Cirurgia do Pé e Tornozelo do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSPE, São Paulo, SP, Brasil

Luiz Sérgio Martins Pimenta, Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Médico Assistente do Grupo de Cirurgia do Pé e Tornozelo do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSPE, São Paulo, SP, Brasil

Caroline Barreto Rodrigues, Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Médico Residente do Grupo de Cirurgia do Pé e Tornozelo do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSPE, São Paulo, SP, Brasil

Referências

Gao M, Liu N, Cheng Y, Shi W, Yang H. Treatment outcomes of the posterolateral approach of plate fixation for posterior pilon fractures. Exp Ther Med. 2019;17(5):4267-72.

Assal M, Dalmau-Pastor M, Ray A, Stern R. How to Get to the Distal Posterior Tibial Malleolus? A Cadaveric Anatomic Study Defining the Access Corridors Through 3 Different Approaches. J Orthop Trauma. 2017;31(4):e127-e129.

Hoppenfeld S, deBoer P. Surgical exposures in orthopaedics: the anatomic approach. 2ed. Philadelphia: Lippincott, Williams, & Wilkins; 1994.

Coughlin M, Saltzman CL, Mann RA (ed). Mann’s surgery of the foot and ankle. 9ed. Elsevier; 2013.

Martins C, Varzielas M, Morais J, Mendes E. Via póstero-interna na fixação de fragmento posterior em fratura complexa do pilão tibial. Gazeta Médica. 2018;5(4):287-90.

Moura Júnior AF, Machado Filho AA, Campos ET, Martins JS.Fraturas do pilão tibial: resultados funcionais e avaliação da qualidade de vida. Sci J Foot Ankle. 2018;12(1):42-8.

Roberzie R G et al. Pilon fractures: use of the posterolateral approach for ORIF. Op Tec Orthop. 2003;13(2):113-9.

Zhong S, Shen L, Zhao JG, Chen J, Xie JF, Shi Q, et al. Comparison of Posteromedial Versus Posterolateral Approach for Posterior Malleolus Fixation in Trimalleolar Ankle Fractures.

Orthop Surg. 2017;9(1):69-76.

Downloads

Publicado

2019-08-09

Como Citar

1.
Molina WF, Pimenta LSM, Martins GB, Rodrigues CB, Santos ECS dos, Pereira SM. Fratura do maléolo posterior da tíbia distal: acesso póstero-lateral. RTO [Internet]. 9º de agosto de 2019 [citado 24º de fevereiro de 2024];19(3):14-9. Disponível em: https://tecnicasemortopedia.com.br/revista/article/view/173

Edição

Seção

Artigos