Vertebrectomia total posterior estadiada para correção de escoliose congenita

Autores

  • Réjelos Charles Aguiar Lira Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Carlos Augusto Belchior Bitencourt Júnior Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Gustavo Alves Tostes Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Raphael de Rezende Pratali Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Carlos Eduardo Gonçales Barsotti Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Carlos Eduardo Algaves Soares de Oliveira Hospital do Servidor Estadual de São Paulo
  • Francisco Eugênio Prado Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Palavras-chave:

escoliose congênita, cirurgia, osteotomia

Resumo

A cifoescoliose congênita é uma patologia bastante complexa, pela sua rápida progressão e grau de gravidade, além da associação com outras síndromes congênitas, o que torna seu tratamento bastante desafiador. Apresentamos um caso de um paciente de 19 anos com cifoescoliose congênita grave, já submetido a tentativa de tratamento cirúrgico na infância sem sucesso. Descrevemos o uso da osteotomia total por via posterior estadiada do tipo VCR (Vertebral Column Ressection) para o tratamento do caso. Discutimos o uso da técnica, suas potenciais complicações e a evolução do caso durante e após o tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Réjelos Charles Aguiar Lira, Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Médico Residente do Grupo de Coluna Vertebral do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSPE, São Paulo, SP, Brasil

Raphael de Rezende Pratali, Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Médico Assistente do Grupo de Coluna Vertebral do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSPE, São Paulo, SP, Brasil

Carlos Eduardo Algaves Soares de Oliveira, Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

Chefe do Grupo de Coluna Vertebral do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do HSPE, São Paulo, SP, Brasil

Referências

Quan L, Smith DW. The VATER association. Vertebral defects, anal atresia, T-E fistula with esophageal atresia, radial and renal dysplasia: a spectrum of associated defects. J Pediatr.

;82(1):104-107.

Nora AH, Nora JJ. A syndrome of multiple congenital anomalies associated with teratogenic exposure. Arch Environ Health. 1975; 30(1):17-21.

Dunham AM, Sponseller PD. Congenital Scoliosis. In: Garfin S, Eismont F, Bell G, Bono C, Fischgrund J (eds). Rothman-Simeone and Herkowitz’s The Spine. 7th ed. Philadelphia: Elsevier; 2018. p. 435-50.

Kaspiris A, Grivas TB, Weiss HR, Turnbull D. Surgical and conservative treatment of patients with congenital scoliosis: a search for long-term results. Scoliosis. 2011;6-12.

Schwab F, Blondel B, Chay E, Demakakos J, Lenke L, Tropiano P, et al. The comprehensive anatomical spinal osteotomy classification. Neurosurgery. 2014;74(1):112-20;

Hedequist D, Emans J. Congenital scoliosis. a review and update. J Pediatr Orthop. 2007;27(1):106-116.

Marks DS, Qaimkhani SA. The natural history of congenital scoliosis and kyphosis. Spine. 2009;34(17):1751-5.

Suk SI, Kim JH, Kim WJ, et al. Posterior vertebral column resection for severe spinal deformities. Spine. 2002;27(21):2374-82.

Lenke LG, Sides BA, Koester LA, Hensley M, Blanke KM. Vertebral column resection for the treatment of severe spinal deformity. Clin Orthop Relat Res. 2010;468(3):687-99.

Saifi C, Laratta JL, Peridis P, Shillingford JN, Lehamn RA, Lenje LG. Vertebral Column Resection for Rigid Spinal Deformity. Global Spine Journal. 2017;7(3):280-90.

Downloads

Publicado

2019-10-11

Como Citar

1.
Lira RCA, Bitencourt Júnior CAB, Tostes GA, Pratali R de R, Barsotti CEG, Oliveira CEAS de, Prado FE. Vertebrectomia total posterior estadiada para correção de escoliose congenita. RTO [Internet]. 11º de outubro de 2019 [citado 15º de junho de 2024];19(4):11-5. Disponível em: https://tecnicasemortopedia.com.br/revista/article/view/178

Edição

Seção

Artigos